Bomberman: O terrorista dos games

Post escrito por: AdrPotter | 26/03/2014 | 00h03min



Olá pessoal. Hoje venho falar de um dos jogos que mais marcou minha infância, o Bomberman para Nintendinho. Jogo desenvolvido em 1983 pela Hudson Soft. Uma das franquias mais bem sucedidas da história, possuindo jogos para diversos consoles e até para computador. É hoje considerado um dos maiores clássicos dos games. A lista de jogos envolvendo o nome Bomberman passa de setenta. Sendo que possui títulos para NES, Super Nintendo, Nintendo 64, Pc, Playstation 1, Playstation 2 e alguns outros que não lembro agora. Mas aqui, irei tratar do primeiro jogo, o de NES, que foi lançado para o console em 1987.

Deu merda!!!
A jogabilidade é simples, pois tu vai usar o direcional para controlar o personagem e um botão para largar a bomba, e cuidar para não se prender entre a bomba e a parede, o que acontece bastante. Com isso tu vai colocar as bombas em determinados locais, para matar os inimigos, e esse é o objetivo. Com as bombas matar os vilões e passar para o próximo nível. Mas, para poder passar de nível, além de matar todos os inimigos da tela, é necessário achar o portal para a próxima fase, que pode ser encontrado enquanto tu vai explodindo as paredes com as bombas. As vezes, o tempo se acaba, e tu não consegue encontrar o portal. Ai, surgem na tela, vários inimigos em formato de moedas, muito rápidas, prontas para te matar, e é praticamente impossível sobreviver.


Existem paredes e pontos fixos, que se alternam. Os pontos fixos, não podem ser explodidos, claro, nem atravessados pelo personagem, mesmo que tenha itens especiais.

Inicialmente, tudo bem simples e fácil. Mas, com o decorrer das fases, os inimigos vão ficando mais rápidos e fortes. Alguns até atravessam as paredes,n podendo te encontrar com muita facilidade. Sim, pensou que ia ser moleza? É, parece que um jogo que parecia mais um puzzle toscão virou a mesa.

Durante as fases, ao quebrar as paredes você vai pegar diversos itens, como um que faz que possa ser jogadas mais bombas ao mesmo tempo, um tênis que aumenta sua velocidade, aumento da força da explosão, possibilidade de atravessar bombas e paredes, invulnerabilidade contra as bombas e controle do tempo de explosão, onde tu pode apertar o botão na hora que quiser fazer o estrago.

Típico dia de matança.
Se tu morrer em uma fase e ainda tiver vida para continuar jogando, vai manter o poder de explosão adquirido e o número de bombas, o que já facilita um pouco. Mas, os outros itens serão perdidos. E será preciso achar eles novamente. Algo legal também, é que se tu explodir uma bomba em um portal ou algum item, eles vão liberar dezenas de inimigos, e ai cagou, porque dificilmente tu vai ter tempo para matar todos.

A história do jogo, segundo o manual é a seguinte:  Bomberman, é um robô que produz bombas com seus camarada robô em uma espelunca subterrânea, feita por forças do mau(deve ser a Al - Qaeda).

Certo dia, em um happy hour, regado a óleo de motor, ouve um boato, de que é possível fugir dessa prisão e se encaminhar até a superfície, se tornando assim humano. Pronto, é isso que ele quer, fugir da porra toda! Mas para isso ele vai precisar encontrar o caminho e se livrar de diversos inimigos que foram mandados para impedi-lo dessa tarefa.

Possui um total de 50 fases. E não é necessário nenhum artifício mágico para poder zerar o jogo. O próprio jogo te da as ferramentas necessárias para isso.

Um ponto negativo, é que com o passar das fases, ele acaba se tornando bem repetitivo, já que as fases continuam iguais, o que muda são os inimigos somente. Mas precisamos levar em consideração a data de criação deste jogo, pois é um dos mais velhos do Nes, os dois lançados no mesmo ano. Não se compara ao Bomberman de Super Nintendo, que é muito mais elaborado. Mas isso não tira os méritos desse game.

Acabando com a paz da rapaziada, é um assassino!!!
Quando pequeno sempre me diverti muito com esse jogo, pode ser que tenha sido um dos jogos que mais joguei no Nintendinho. Ele não é muito difícil, pois com o decorrer da fase se tu prestar a atenção e manter os upgrades, vai finalizar ele com facilidade. Mas, quando eu jogava, era muito afobado, e queria logo matar os inimigos, o que acaba gerando frustrações com mortes bizarras. Mas mesmo assim era possível zerar.

Os principais motivos de vergonha nesse jogo, estão em se prender entre uma parede e uma bomba, ou explodir a bomba antes de estar distante o suficiente . Calcular errado o tamanho da explosão também é uma cagada frequente.

A questão da repetição se torna mais evidente, próximo ao final do jogo, pois com tantos poderes, matar os inimigos já não é mais um desafio, se torna simples. O jogo acaba, com a seguinte frase:

"Parabéns, você conseguiu ajudar o Bomberman a se tornar um humano. Talvez consiga reconhecer ele em um jogo da Hudson Soft. Até mais"

Essa frase detonou, e agora, o que será que eles querem dizer? Vocês vão saber isso em uma análise futura, espero que tenham gostado, até mais!

3 comentários :

  1. Afudê, não conhecia a história deste jogo. E no fim ainda deixasse um cliffhanger para um post futuro! Genial!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu cara, esse jogo foi foda mesmo. E usei um cliffhanger mesmo, sabe como é, tem que deixar a galera na expectativa, kkkkkkk. Valeu!!

      Excluir
  2. Essa foi uma das melhores postagens que já vi! Ficou original e me deixou ansioso.

    Nunca soube dessa história do Bomberman.Tá vendo,uma história simples dessa consegue ser melhor do que a de muitos jogos atuais que tentam implementar histórias complexas e teoricamente "épicas".

    É esquisito o cenário não mudar nesse jogo...pensei que pelo menos as cores dos cenários eram alteradas ao decorrer dele.

    Mas se não fosse por esse grande jogo,os fantásticos jogos de SNES não existiriam.

    Flw abração

    ResponderExcluir