Jogos Antigos VS Jogos Atuais ‏

Post escrito por: AdrPotter | 09/10/2013 | 18h50min


Fala galera, estavam com saudades? Espero que sim, se não estiverem, também tá bom. Depois de um longo hiato, entre os posts, vocês devem estar se perguntando o motivo do meu súbito desaparecimento. Tenho estado muito ocupado com alguns "projetos" pessoais, dos quais não tem importância no momento. E talvez meu próximo post demore um pouquinho também. Então vamos ao que interessa, pelo título do post vocês que já acompanham o site, já devem imaginar do que vou falar, sim das belezuras profundas dos games modernos e sua dificuldade "hardcore", assim como já falei nesse outro post.

Mas porque voltei nesse assunto batido, falado e comentado muitas vezes aqui no site, estaria eu virando um velho gagá, que só sabe falar no passado e reviver os momentos memoráveis? Na verdade não, o que me fez retomar o papo, foi um belo comentário, feito pelo usuário do fórum do Outerspace, Arlindo Orlando, que me autorizou a publicar aqui no Lixeiro o seu comentário, que para mim soou como uma poesia realista e certeira, muito bem escrita por ele.

Mas antes de postar esse comentário, vamos aos fatos. Tudo começou quando foi postado no fórum, uma notícia de uma pesquisa realizada pela Nintendo, de que 9 entre 10 jogadores atuais, não conseguem passar nem da primeira fase do jogo Super Mario Bros, link do Outerspace . Notícia postada também neste link. Essa pesquisa, informa alguns dados, como por exemplo, que 70% desses merdas, morrem no primeiro inimigo, pasmem!!!

Francamente, a primeira fase, é tão simples que menininhas de alguns anos atrás poderiam passar. Eu me pergunto, como seria se jogassem Battletoads, por exemplo. Um dos pedidos, desses feras dos games, foi que o Mario tivesse uma arma. A maioria dos jogadores pediu para o jogo ser mais fácil e que o personagem começasse o jogo com uma arma. Eu deixaria eles jogarem o Contra, quem sabe esse fosse mais fácil? Afinal tem uma arma, não é mesmo?

Incrível não é? A notícia parece até falsa, e é. Sim, essa notícia não é verdadeira, foi feita para causar um debate sobre o nível de dificuldade dos games modernos. Em momento algum a Nintendo realizou esse tipo de pesquisa. O próprio site que postou essa notícia, alguns dias depois desmentiu a farsa. Afirmando que o site fonte de onde saiu, é um site de sátiras. Você pode conferir clicando aqui.

Se o motivo da brincadeira era causar alvoroço e debates, funcionou, pois em vários sites em que foi postada essa notícia, muita gente defendeu essa ideia, de que os jogos novos estão mais fáceis e sem graça. Já não me sinto sozinho no mundo, hehehe.

Bom, a notícia é falsa, mas fala da realidade do que acontece nesse meio. Não só acredito, como comprovei que os jogos estão mais fáceis e voltados para o enredo. Agora o legal é ver o jogo, a época de jogar já passou. Apesar da notícia não ser verdadeira, o comentário do Arlindo é. Então vamos a ele, acompanhem logo abaixo:

Arlindo Orlando

...Penso igual. Quando história começou a ter relevância em jogo, videogame era algo existente há vários anos, com ampla aceitação. Ou seja, fosse só uma moda passageira, se não tivesse nada para ser agregado à rotina das pessoas, iria passar batido, com certeza.

Mesmo uma tecnologia primitiva como a de um Atari 2600 conquistou fãs. Hoje, meu irmão de 11 anos estava jogando Prototype 2 no meu Ps3. Depois, botei um emulador de Atari e ele se divertiu bastante jogando Pitfall, que, por comparação, é bem rudimentar. Videogame é lúdico, interativo, manipulativo, você tem o controle, isso que atrai, essa que é a diferença, há ação e reação, seus comandos influenciam diretamente o desenrolar da brincadeira.

História é um extra, chama até quem não curte muito videogame. O pai de um colega meu não joga, mas já comprou alguns jogos pro filho só pra assistir ele jogando, ver como a história se desenrola, esse é um prisma mais cinematográfico dos jogos, algo presente na atualidade. Interessante? Sim. Mas tudo é composto de sua essência mais detalhes, e detalhes necessitam de dosagem.

Uma sopa é um prato, a essência, por si só está constituída; o sal é tempero, ajuda no sabor, mas não pode ser nem pouco, nem muito, há uma medida certa. Você pode tomar uma sopa sem sal, mas comer o sal puro, sem a sopa... não desce bem.


Link do comentário

É verdade, não desce bem mesmo. A metáfora foi muito bem colocada. Então é isso, queria mesmo era dar destaque a essa poesia dos games. Que fala a realidade que muitos sentimos com a atual geração.

Quero, agradecer ao United Gamers Brasil, que foi o blog onde li esse comentário em forma de citação e iniciei a peregrinação até publica-lo aqui no Lixeiro. Em especial o GF, que foi o cara que me ajudou na busca. Obrigado e até a próxima!

7 comentários :

  1. Até hoje os Jogos Antigos me encantam mais. Sei lá, mas Gears of Wars e outros jogos da atual Geração não são tão divertidos quanto Crash Bandicoot, Super Mario e etc.

    Por isso nem arrisco mais gastar meu dinheiro em videogames, sendo que poucos jogos da atual Geração me interessam.

    E esse comentário do Arlindo Orlando é sensacional! As mais sábias palavras de um Old-School Gamer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Shadow. Não me interesso mesmo pelos jogos mais novos. Salvo algumas exceções, que depois de jogadas um tempo, se nota que o que mudou mais, foi a casca, a essência continua a mesma. Além das exceções, "mascaradas". Os que mais estão me interessando são os jogos das produtoras independentes, esses sim acho que valem cada centavo.

      Excluir
  2. Obrigado por me mencionar hehe.
    A atual geração de games só tende a cair de qualidade.Tanto que pelo que eu me lembre,nenhum anúncio de PS4 e XONE não me supreendeu.Mas sabe o porque?
    É porque me dá a impressão que eu já vi isso antes.Killzone Shadow Fall,é só mais um FPS.Infamous Second Son é só mais um jogo de mundo aberto.Forza Motorsport 5 é só mais um jogo de corrida,que aliás,não vai melhorar quase nada.
    Pra falar a verdade,até os da Nintendo não impressionaram,exceto o Projeto "X",da Monolith Soft.Aquilo dali eu nunca vi em nenhum outro lugar.Mundo aberto,inimigos gigantescos,Mechs que se transformam (me lembra Front Mission e Star Fox 2),isso sim é que é impressionante.Falando diretamente sobre o assunto do post,digo que sempre que você fala (supondo) "Tomb Raider Reboot é fácil",alguém vai lá e fala "Joga no Super Badass Hard",como se a última dificuldade fosse a base para todos os jogos,ao invés da dificuldade "normal".E outra:se for assim,pega um R-Type e joga no Hard pra ver se não vai sofrer.E mais ainda: até os jogos difíceis proporcionam mais diversão que os atuais,pois eles geralmente tem um gameplay sólido,coisa que poucos jogos atuais possuem - ao invés de um gameplay sólido eles quase sempre optam por uma historinha "épica".
    O comentário do Arlindo Orlando resume isso tudo excelentemente bem.
    Esse foi um ótimo post.
    Se me permitir,postarei o seu artigo no Fórum Outerspace para que outros vejam.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu GF, depois desse comentário do Arlindo, eu nem preciso falar mais nada, ali diz tudo. E pode sim postar lá no fórum. Mas claro só peço que coloque link aqui para a postagem, com os devidos créditos, assim como eu fiz nesse post, pode ser? Flw, abraços, continua visitando o site aqui, valeu!

      Excluir
  3. É,o comentário do Arlindo que foi épico mesmo.
    Beleza farei do jeito que está pedindo.Pode deixar,vou continuar visitando o site sim,ele tem um conteúdo muito bom.Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Eu particularmente gosto de bons roteiros, e principalmente quando estão bem traduzidos para o bom e velho português.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu pelo comentário Gadarf, mas eu assim como o comentário escrito pelo Arlindo explica, acho que a história é um extra, algo que oferece um tempero ao jogo. Nunca pode ser tratada como o foco principal. Se tu joga os jogos por roteiro, recomendaria ler um bom livro ou assistir a um bom filme. Até porque, as histórias dos jogos, apesar de serem levadas muito a sério, continuam extremamente clichês se comparadas à bons filmes e livros

      Excluir